Buscar
  • Cristiano Leão Pires

Nossa "Lamborghini"



Uma parcela muito grande de pacientes que passam em meu consultório para tratar suas dores não apresentam nenhuma doença causadora destas dores, nenhuma alteração na coluna que tenha como resultado a dor. O que percebemos rapidamente após alguns testes posturais e de força são fraquezas musculares em importantes pontos como glúteos, abdômen, rombóides etc… e nestes casos o tratamento sempre ajuda mas acaba esbarrando em um problema que somente a própria pessoa pode resolver : rotina de exercícios/atividades e alimentação/hidratação. Muitas vezes é de uma caminhada leve de 30 a 40 minutos diária, outras vezes pode ser um esporte que a pessoa goste, academia … qualquer exercício regular que não pareça uma tortura para nosso cérebro (muitas vezes, se procurarmos bem, sentiremos prazer em fazê-los).

Nesta parte, onde o quiropraxista, ou qualquer profissional da saúde não vai estar junto para estimular ou “obrigar” a pessoa a se exercitar, é onde perdemos muitos dos ganhos dos tratamentos (quiropráticos, fisioterápicos etc…).

Para entendermos esta necessidade e estes cuidados costumo usar uma analogia a uma Lamborghini por exemplo, Caso você compre um Lamborghini de sonho, a ideia é deixá-la guardada na garagem para mostrar para os amigos, ou colocá-la na estrada para usufruir da potência e estabilidade da máquina? Eu, iria comprar pão do outro lado da rua de carro… (já já você vai entender onde quero chegar). Qual combustível você usaria em sua “nave”? Gasolina comum, aquela baratinha que pode ou não vir misturada com outros químicos? Ou procuraria o melhor combustível do mercado? Com maior octanagem e substâncias que aumentam a performance e a longevidade do motor?


Quando nascemos ganhamos de graça uma máquina milhões de vezes mais complexa e bem feita que uma Lamborghini, com todos os seus processos funcionando melhor que um relógio suiço que nunca desligam, nem quando dormimos. Esta máquina possui sistemas de auto regeneração, auto regulação, tudo ali ocorrendo sem que percebamos e muitas vezes sem nem sabermos que precisávamos dos reparos. Esta máquina linda, perfeita para ser mais exato, por diversas vezes, e em alguns casos na maioria das vezes, escolhemos deixa-la no sofá ao invés de sentir a potência que ela tem, escolhemos maus hábitos posturais ao invés de aprender e procurar posturas de descanso. E os combustíveis… escolhemos beber refrigerantes e bebidas extremamente nocivas ao sistema por causa do gostinho doce ao invés de uma água pura que já desce limpando o sistema entre outras coisas que parecem mágica que ela faz. Escolhemos tipos e quantidades de comida que desregulam nossos hormônios e colocam toda “máquina” em sistema de alerta ao invés de procurarmos as opções mais saudáveis e nutritivas que façam não só com que nos sintamos bem como facilite na auto regeneração do corpo.



O mais incrível de tudo isso é que nunca é tarde demais para sentir tudo isso que descrevi, basta uma mudança de hábito, alimentação e hidratação e nossa Lamborghini rapidamente já responde nos dando potência e bem estar.


E a quiropraxia onde entra nisso tudo?!

Uma brincadeira que faço com os pacientes mais antigos é que vamos fazer a geometria e o balanceamento deles na consulta, afinal voce vai esperar sua Lamborghini fazer algum barulho ou puxar um pouco para o lado e continuar pisando fundo? Ou vai levar na mão de obra que você mais confia?

Igualmente nosso corpo nos dá vários avisos de que não estamos funcionamento bem, e este exemplo que usei é muito raso perto dos benefícios que a quiropraxia tem a oferecer para sua “máquina” pois através das manipulações estaremos também melhorando processos neurológicos (ou seja estaremos também afinando o computador de bordo da sua Lamborghini) melhorando a comunicação cérebro/corpo processo importantíssimo para evitar lesões.

E ai… depois destas informações, vai deixar a Lamborghini em casa abastecida de qualquer coisa? Ou vai reabastecê-la com o que de melhor você conseguir e coloca-la pra rodar no seu máximo?



20 visualizações0 comentário